Metrô de lá

Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá
Matrô de lá

Metrô de lá

A extravagância megalomaníaca do metrô de Moscou saiu da cabeça do líder soviético Josef Stálin, e não aconteceu à toa. O projeto tinha uma função político-ideológica clara: relembrar diariamente o proletariado que utiliza o metrô de que o Partido Comunista era grato por seu esforço durante as revoluções da União Soviética.
Inaugurado em 1935, Stálin ordenou que arquitetos e artistas criassem uma estrutura que se destacasse pelo brilho e indicasse "um futuro radiante" ao povo russo. Considerado um museu subterrâneo, cada estação tem sua particularidade cativante, luxo e ostentação de encher os olhos.
Durante minha visita à Rússia registrei o cotidiano das pessoas que usam seu meio de transporte em um cenário tão peculiar. Desse projeto nasceu uma exposição para o metrô de São Paulo, e um livro contando sobre o metrô de lá.